Mais duas ações formativas inéditas, voltadas a magistrados e servidores, foram promovidas pela Escola do Poder Judiciário de Roraima (EJURR) nesta semana.

A primeira delas ocorreu na segunda-feira (04) com o tema Procedimento Comum e Honorários Advocatícios. Esse curso teve como objetivo proporcionar aos participantes uma visão contextualizada a respeito das atualizações e desdobramentos jurídicos e sociais para aplicação do procedimento comum e honorários advocatícios.

Na terça-feira (05) foi a vez do curso Tutelas de Urgência, por meio do qual foi promovida a atualização de conhecimentos práticos e teóricos envolvendo as tutelas de urgência sob o âmbito do novo processo civil, o que se refletirá, em termos de quantidade e de qualidade, na prestação jurisdicional dos magistrados e servidores que atuam na área.

O servidor Juliano Mazorini, que participou das duas capacitações, garantiu que teve as melhores impressões possíveis sobre os treinamentos. "Sempre aproveito quando a EJURR disponibiliza cursos na área fim, principalmente quando o tema é de extrema importância como é o caso do processo civil, que entrou em vigência há pouco tempo e vem gerando muitas dúvidas no dia a dia. Muito boa também a escolha do palestrante, que domina o assunto e possui ótima oratória", afirmou o assessor jurídico da 1ª Vara da Fazenda.

Para conduzir os cursos a EJURR trouxe a Boa Vista o formador Maurício Cunha,  juiz de Direito do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, coordenador do Núcleo Regional da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes do TJMG, mestre em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas/SP (2003) e doutor em Direito Processual pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2013).

De acordo com ele, a Escola do Judiciário de Roraima apresentou oportunidades relevantes de aprimoramento e de consolidação dos entendimentos mais recentes da nova ordem processual civil. "A estreita atuação dos profissionais da área jurídica deve, necessariamente, perpassar o contínuo aprendizado das técnicas procedimentais, notadamente diante da importância de sua correta utilização prática. Ganham, com isso, indubitavelmente, todos os magistrados e servidores, mas, fundamentalmente, o jurisdicionado, revelando, sobremaneira, a preocupação do TJRR para com o exercício da função jurisdicional", disse Maurício Cunha.

Aproximadamente 120 pessoas participaram das duas capacitações, entre desembargadores, estagiários, juízes e  servidores do Tribunal de Justiça de Roraima.