A Escola do Poder Judiciário de Roraima é uma instituição de educação corporativa, mantida pelo Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. Seu objetivo é planejar e executar os cursos de formação inicial, capacitação e aperfeiçoamento dos magistrados, servidores e formadores do Poder Judiciário.

A preocupação com a capacitação de magistrados e servidores do Poder Judiciário de Roraima foi sinalizada em 1994, na gestão do Des. José Pedro Fernandes, com a aprovação do Estatuto da Escola Superior da Magistratura do Estado de Roraima, por meio da Resolução TP nº 06, de 12 de maio de 1994. Na gestão do Des. Ricardo Oliveira foi aprovado o Regimento Interno da ESMARR.

Posteriormente, com o crescimento da força de trabalho e a necessidade de direcionamento de cursos e formações específicas, na gestão do Des. Mauro Campello, a capacitação dos servidores e dos magistrados foi separada. Assim, a  Escola do Servidor do Poder Judiciário do Estado de Roraima foi criada com a aprovação da Resolução nº 31, do Tribunal Pleno, de 26 de julho de 2006, sob a direção da então Juíza de Direito Elaine Bianchi. Já a Escola da Magistratura passou a ser dirigida pelo Desembargador Lupercino Nogueira.

Naquele período, tanto a Escola da Magistratura quanto a Escola dos Servidores foram instaladas na Av. Ataíde Teive, n. 4270, bairro Caimbé, nesta Capital.

Ainda em 2004, o Desembargador Mauro Campello, Presidente do Tribunal de Justiça e a então Juíza de Direito Elaine Bianchi, Diretora da Escola dos Servidores, firmaram  convênio com a UNIFLU e promoveram a primeira especialização para magistrados e servidores, em Gestão do Poder do Judiciário.

A unificação das competências para a formação e capacitação de magistrados e servidores ocorreu em  2011, na gestão do Desembargador Lupercino Nogueira, com a Lei Complementar n.º 175/11. Na ocasião, a EJURR foi integrada à estrutura administrativa do Tribunal de Justiça de Roraima, com a criação de cargos específicos para o seu funcionamento.

As competências da EJURR estão previstas na Res. 221/2014, sua estrutura organizacional está discriminada na Res. 70/2016. A Escola se submete, ainda, à Res. 192/2014 do CNJ, que dispõe sobre a Política Nacional de Formação e Aperfeiçoamento dos Servidores do Poder Judiciário, à Instrução Normativa n. 01/2017 da ENFAM, que disciplina o credenciamento de cursos oficiais para o ingresso, a formação inicial e o aperfeiçoamento dos magistrados e formadores, e à Resolução da Enfam n. 02/2016, que dispõe sobre os programas para a formação e o aperfeiçoamento de magistrados e regulamenta os cursos oficiais para o ingresso, a formação inicial e o aperfeiçoamento de magistrados e de formadores.

Em fevereiro de 2017, a EJURR passou a desenvolver as suas atividades na Sede Administrativa Edifício Luiz Rosalbo Indrusiak Fin, na Av. Enê Garcez, n. 1696, bairro São Francisco, nesta Capital, sendo dirigida atualmente pela Desembargadora Elaine Bianchi.

Durante o período de 2011 a 2020, foram realizados 469 eventos voltados para servidores e magistrados, dentre cursos, palestras, lives, workshops, oficinas, dentre outros. Nesse período, foram ofertadas 8.133 vagas nesses eventos.

Sob a direção do Desembargador Cristóvão Suter, a Escola firmou convênio com a Universidade Estadual de Roraima e promoveu a segunda especialização em Gestão Pública.

Em fevereiro de 2021, foi empossada a
nova diretora da Escola do Poder Judiciário (Ejurr), a Desembargadora Elaine Cristina Bianchi, que ficará à frente dos trabalhos de planejamento e execução de cursos voltados para magistrados e servidores do Poder Judiciário, no biênio 2021/2023.

Dentre as ações pedagógicas da EJURR, são oferecidas palestras, workshops, cursos de formação inicial e continuada para formadores, cursos de especialização, capacitações destinadas aos colaboradores do Tribunal de Justiça e ações de impacto direto na sociedade, como o Projeto “Escola vai à Escola”, que possibilita às unidades públicas de ensino acesso a palestras e debates com profissionais de renome, com o intuito de despertar a liderança e motivar os jovens estudantes e o Projeto “Escola vai para Casa”, ação de intermediação da Ejurr, para disseminação das aulas on-line para canais abertos de televisão e emissoras de rádio, com o objetivo de propiciar aos estudantes de ensino fundamental e médio  o acesso ao conteúdo escolar, durante a pandemia.