A instituição desde 2021, vem implementando em seus conteúdos educacionais a  prática da inclusão das três principais acessibilidades


Fotos: Seproc / Ejurr
 

 

Na última quinta-feira (30) de junho, a Escola do Poder Judiciário de Roraima (Ejurr) recebeu a visita do consultor da comissão julgadora do Prêmio Innovare, na qual a Ejurr obteve a inscrição aceita na prática de “Acessibilidade de Audiodescrição em Ações Educacionais do Judiciário”, concorrendo o prêmio de inovação com ações que contribuam para o aprimoramento da Justiça no Brasil. 

 

A instituição desde 2021, vem implementando em seus conteúdos educacionais a  prática da inclusão das três principais acessibilidades da Audiodescrição, Língua brasileira de sinais (Libras) e Legenda. Mas, somente em 2022 a Escola se aperfeiçoou e ganhou destaque por essas ações que contribuíram para o judiciário estadual e brasileiro.

 

O Setor de Produção e Comunicação (Seproc) da Ejurr, responsável pelas transmissões de lives, cursos, workshops e palestras direcionado a educação no judiciário, se capacitaram nessas práticas de inclusão, pois  por meio da Resolução Nº 401/2021 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que orienta o desenvolvimento de diretrizes de acessibilidade e inclusão com pessoas com deficiência nos órgãos  de Poder Judiciário e serviços auxiliares.

 



Segundo a chefe do Seproc, Lorrane Costa, inscrever a Ejurr para concorrer no Prêmio Innovare se tornou uma meta que todos da equipe se dedicaram a alcançarem juntos, pois saber que alguns colegas do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) possuem deficiência visual e auditiva, ou que necessitem das ações inclusivas, poderiam participar de forma igualitária aos demais, tornou-se um objetivo a ser implementado em todo tribunal.

 

“Foi uma conquista que aos poucos veio, pois durante esse quase dois anos trabalhamos muito para chegar onde estamos hoje, porque no início tivemos dificuldades, assim como todos tem para algo novo, mas nossa equipe se prontificou e estudou bastante e hoje estamos colhendo o fruto dessa parceria e dedicação”, ressaltou a chefe do Seproc.

 

O consultor observou de perto como a instituição faz na prática todas essas  três inclusões, na qual a equipe detalhou como foi essa caminhada desde início até os dias atuais.