Foto: Ejurr

 

Na última segunda-feira (14) a Escola do Poder Judiciário de Roraima (Ejurr) se reuniu com o vice-presidente do Conselho Estadual de Educação de Roraima (CEE), João de Carvalho, para tratar sobre os requisitos necessários para que a escola possa oferecer cursos de pós-graduação lato sensu, ou seja, programas de especialização.
 

Participaram da reunião com Carvalho a diretora da Ejurr, desembargadora Elaine Bianchi, a coordenadora acadêmica da Ejurr, Ana Paula Joaquim, a chefe do Setor de Formação e Aperfeiçoamento (Sfaper), Tayane Sales e a Chefe do Setor de Produção e Comunicação (Seproc), Lorrane Costa.
 

De acordo com Bianchi, o Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) já possui em seu quadro funcional, profissionais preparados para ministrar disciplinas em cursos de pós-graduação. Ela ressaltou que a oferta desses cursos superiores tem como objetivo valorizar magistrados e servidores: “A Ejurr quer dar mais esse passo em prol da qualificação dos profissionais do Tribunal de Justiça, oferecendo oportunidades aos servidores do TJRR e investindo em educação de qualidade. Precisamos valorizar magistrados e servidores que fizeram mestrado ou doutorado, convidando-os para atuarem como professores da Ejurr”.
 

De acordo com o Carvalho, não existe uma lei ou regulamentação específica para que as Escolas do Poder Judiciário ofereçam pós-graduação. No entanto, na reunião, entrou-se em um consenso sobre a necessidade da elaboração de uma regulamentação para que as escolas voltadas ao mundo do trabalho possam oferecer esses cursos.