Evento foi realizado em formato híbrido (presencial e on-line) e está disponível no canal YouTube da Ejurr.

Para lidar com as limitações da pandemia, a Escola do Poder Judiciário (Ejurr) se adaptou e abriu espaço para uma nova tendência: na manhã desta terça-feira, 26, realizou, na Sede Administrativa do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR), o seu primeiro evento híbrido, uma experiência que une físico e digital. A palestra “Estilo de vida e prevenção do câncer de mama” foi apresentada pela médica nutróloga do Poder Judiciário, Natália Silva. A ação foi desenvolvida em parceria com o Centro de Qualidade de Vida do TJRR.


A palestra foi realizada em alusão ao mês dedicado à mulher: Outubro Rosa e teve como público-alvo magistradas, servidoras e colaboradoras do TJRR. O objetivo foi sensibilizá-las para a importância da prevenção do câncer de mama.

Durante a palestra, a Dra. Natália explicou que o câncer de mama não tem uma causa única. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, tais como: o avanço da idade; fatores endócrinos e história reprodutiva (ter a primeira menstruação antes dos 12 anos, menopausa tardia, uso de contraceptivos orais, primeira gestação acima dos 30 anos de idade, terapia de reposição hormonal da menopausa); fatores comportamentais e ambientais (tabagismo, radiação ionizante, excesso de peso e inatividade física); e fatores genéticos e hereditários (ter vários casos de câncer de mama ou ao menos um caso de câncer de ovário em parente consangüíneo e câncer de mama em homem na família).

Para prevenir, destacou a importância dos exercícios físicos (150 minutos de exercício moderado ou 75 minutos de atividades vigorosas, associados à prática de musculação); reduzir o comportamento sedentário, como ficar mais de duas horas sentado; controle do peso; melhora na qualidade da alimentação e redução do consumo de álcool.

Além desses cuidados, de acordo com Natália, a mulher deve estar atenta aos sinais emitidos pelo seu corpo. É importante fazer o auto-exame nas mamas para verificar a existência de nódulos, manchas avermelhadas, alterações no bico do peito, pequenos nódulos nas axilas e no pescoço ou saída de líquido anormal pelos mamilos. Além disso, mulheres a partir dos 50 anos devem realizar mamografias a cada dois anos.
 
Acessibilidade

Na transmissão on-line, foram utilizados recursos de acessibilidade comunicacional, como a presença de intérprete de Libras(Língua Brasileira de Sinais), essencial para que pessoas com deficiência auditiva que são alfabetizadas em Libras  tenham acesso à informação, e de audiodescrição, que traduz imagens em palavras, permitindo que pessoas cegas ou com baixa visão consigam compreender conteúdos audiovisuais ou imagens estáticas, como filmes, fotografias, peças de teatro, entre outros.

Para a Desembargadora Elaine Bianchi, Diretora da Ejurr, é de fundamental importância que a escola promova a acessibilidade nos eventos realizados, de forma a garantir a inclusão e a participação de todos. “Sabemos que temos um longo caminho a percorrer para tornar as nossas ações formativas mais inclusivas, no entanto, estamos dispostos a continuar nos qualificando para aperfeiçoarmos essa prática”, explicou.

Confira a palestra completa!