Estão abertas as inscrições para o workshop  “Prevenção e combate à tortura no âmbito das audiências de custódia”, até o dia 13 de setembro. O evento, que conta com convidados nacionais e internacionais, é voltado para magistrados e magistradas dos Tribunais de Justiça do Amazonas e de Roraima e tem como objetivo qualificar a atuação dos magistrados e magistradas nos procedimentos, visando a prevenção, detecção e apuração de tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes (TCDD), especialmente nas audiências de custódia.

A realização do workshop é uma parceria entre a Escola de Magistratura do Amazonas (ESMAM), Escola do Poder Judiciário de Roraima (EJURR) e Associação de Prevenção à Tortura (APT), com o apoio do Programa Fazendo Justiça, do Conselho Nacional de Justiça, e da Republique Et Canton de Geneve.
 
O evento, em formato on line, consistirá em diferentes modalidades de atividades, de  caráter   interativo   e   participativo, abordará desde de parâmetros contido em normas e documentos internacionais referentes ao enfrentamento à tortura como normativas e parâmetros nacionais, como o Protocolo II da Resolução CNJ 213/2015, o Manual de Prevenção e Combate à Tortura do CNJ e a nova resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Justiça no dia 27 de agosto de 2021 sobre as diretrizes e regras do Protocolo de Istambul.  

Dentre os/as palestrantes, contará com a presença de Audrey Olivier Muralt (Secretária Geral Adjunta da Associação para a Prevenção da Tortura), Alexei Julio Estrada (advogado da Corte Interamericana de Direitos Humanos), Cristofer Martins (médico especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas), Marcos Faleiros da Silva (Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Mato Grosso),  Rafael Barreto Souza (Coordenador Adjunto do Eixo 1 do Programa Fazendo Justiça), Sylvia Dias (Assessora Jurídica Sênior e Representante da Associação para a Prevenção da Tortura no Brasil), Valentina Cadelo (Assessora Jurídica da Associação para a Prevenção da Tortura) e Representante do Poder Judiciário do México.

O workshop ocorrerá nos dias 16, 17, 23 e 24 de setembro, no horário das 16h às 18h30 (hora de Manaus/Boa Vista), com carga horária 14 horas/aulas, distribuídas em quatro encontros de 2h30 cada e tarefas de leitura e exercícios práticos complementares entre os módulos que compõem o evento.
 
Sobre o Curso
-Inscrição prévia: 01 a 13 de setembro por meio do link http://esmam.tjam.jus.br/
- Público-Alvo: Magistrados e magistradas do Tribunal de Justiça do Amazonas e do Tribunal de Justiça de Roraima
- Número de participantes: limite de 40 vagas
- Será oferecida pela APT tradução simultânea para palestras ministradas em idioma estrangeiro
- Período: 16, 17, 23 e 24 de setembro, de 16h às18h30 (hora de Manaus/Boa Vista)
 
Sobre a Associação de Prevenção à Tortura (APT)
A  Associação  para  a  Prevenção  da  Tortura  (APT)  é  uma  organização  internacional  de  direitos humanos, com sede em Genebra, na Suíça, reconhecida  internacionalmente  em  matéria  de  prevenção  da  tortura. A  APT atua desde 1977 em prol da prevenção da tortura e outras formas de maus-tratos ao redor do mundo  promovendo  o  monitoramento  de  todos  os  locais  de  detenção,  o  fortalecimento  de mecanismos  de  controle,  a  implantação  de  salvaguardas  procedimentais  para  a  redução  da tortura  e  aplicação  de  tratados  internacionais  na  matéria. A  APT  goza  de  status  consultivo perante as Nações Unidas, Organização dos Estados Americanos, Comissão Africana e Conselho da Europa, e atua em mais de 30 países. A  APT  fomenta  a  prevenção  da  tortura  através  do  fortalecimento  da  capacitação  de  atores nacionais que trabalham com a prevenção e o combate à tortura. Tal se dá através de cursos de formação  e  da  produção  e  publicação  de  uma  vasta  gama  de  materiais  de  apoio  e  manuais práticos  nesta  matéria. 
Site oficial: https://www.apt.ch/pt