Admitido no dia 13/01/2013 no quadro de servidores efetivo do Poder Judiciário do Estado de Roraima, para o cargo de Técnico Judiciário. Nos cinco primeiros meses trabalhei na comarca de única a época. Lá, desempenhei meu trabalho no, então único, arquivo processual. Passei de maio de 2003 a novembro 2004 conferindo e organizando todos os processos que lá estavam e que iam chegando. No fim, possibilitei que os processos fossem desarquivados em menos de cinco minutos, que anteriormente durava até dois meses. Em fevereiro de 2017 fui convidado para atuar no setor de Manutenção Predial, onde trabalhei até março de 2020. Utilizando a gestão pública gerencial mudei a dinâmica de atuação do setor, onde destaco os Grupos Geradores de energia elétrica. As máquinas possuem controladores projetados para monitorar grandezas elétricas, abastecimento de combustível, falhas e desequilíbrio. Eles, geradores de energia elétrica, possuem funções como: partida e parada, variedade de configurações para os usuários, controle de distribuição de carga elétrica, tanto da concessionária quanto dos prédios, todos executados de forma remota.
Sou graduado em licenciatura plena em Física, concluído no ano de 2006 pela Universidade Federal de Roraima (UFRR). Tecnólogo em Gestão Pública, concluído no ano de 2018 pela Universidade Paranaense (UNOPAR), Especialista em Gestão Pública, concluído em 2020 pela Universidade Estadual de Roraima (UERR). Por fim, graduando de ENGENHARIA ELÉTRICA v. II - MTN - BACHARELADO – UFRR - BOA VISTA. Atualmente estou lotado no Arquivo Geral do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima (TJRR).


INTRODUÇÃO

Há várias maneiras de se gerar energia, de forma sustentável ou não. Mas de qualquer forma, é evidente que não vivemos mais sem energia elétrica, sendo dependentes destas para trabalhar, para nos comunicar, para funcionamento de aparelhos etc.

Além disso, o sistema elétrico brasileiro ainda apresenta falhas acerca da geração de energia, assim ocorrendo quedas de energia e interrupções, neste sentido, a utilização de grupos geradores é de suma importância para setores onde a falta de energia atrapalha a realização de atividades.
De acordo com o site Mega Geradores:

Os grupos geradores de energia são equipamentos de médio e grande porte que fornecem energia elétrica sempre que ocorrem falhas ou oscilações no abastecimento da rede elétrica, garantindo maior segurança e comodidade para clientes, funcionários, moradores e usuários de diferentes setores e ambientes.

Logo, os grupos geradores são equipamentos preparados para gerar energia apenas quando ocorrerem emergências, produzindo um alto desempenho e suprindo a falta de energética.
Assim, atualmente, o estado de Roraima é afetado com frequentes interrupções e quedas de energia. Sendo o único estado não conectado ao Sistema Interligado Nacional (SIN). No dia 08 de março de 2019 o fornecimento elétrico proveniente da Venezuela foi interrompido. O País passa por uma grave crise política e econômica. Assim, o Estado diariamente passa por incertezas com relação ao fornecimento de energia elétrica.

Quando ocorrer uma queda repentina de energia todas as instalações do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima (TJRR) devem contar com planos de emergência para enfrentar situações críticas. Isso significa contar com um sistema auxiliar de energia, como.

Com a falta de energia ou situações adversas como formação de tempestades, os grupos geradores  entram em ação, garantindo que os aparelhos dos Gabinetes, Cartórios e demais Unidades do TJRR (como a Informática) continuem em pleno funcionamento.

Portanto, os grupos geradores serão utilizados quando houver interrupções no fornecimento de energia elétrica, tal geração será fundamental para evitar imensuráveis prejuízos estruturais e elétricos. Outrossim, as atividades não serão prejudicadas, garantindo que as informações não sejam perdidas em caso de cortes no fornecimento de energia, ou qualquer outro problema, além da capacidade de ampliar os serviços públicos atendendo a todos que dele precisar. Dessa forma, se faz necessário compreender a importância da energia fornecida por grupos geradores como contingenciamento no TJRR.



METODOLOGIA

O método a ser utilizado no decorrer da elaboração do trabalho é o dedutivo, com a finalidade de compreender a importância da energia fornecida por grupos geradores como contingenciamento no TJRR, na qual utiliza o método racionalista que pressupõe a razão como a única forma de chegar ao conhecimento verdadeiro; utiliza uma cadeia de raciocínio descendente da análise geral para a particular, até a conclusão.

Este método geralmente é usado para testar hipóteses já existentes, chamadas de axiomas, para assim, provar teorias, denominadas de teoremas. Vale observar que o método dedutivo é utilizado na filosofia, nas leis científicas e na educação. Então, através de leituras de obras que tratam sobre o assunto foi realizada a pesquisa.


A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA ELÉTRICA, DE CONTINGÊNCIA, FORNECIDA POR GRUPOS GERADORES NO TJRR

Vale antes textualizar sobre a denominada ‘New Public Management’ (NPM), esse movimento de gestão pública defende a inserção de princípios da iniciativa privada no setor público, deixando ao agente público um maior espaço de atuação, tendo por contrapartida a existência de mecanismos de controles gerenciais mais efetivos. Assim, modelos de gestão empresarial passaram a ser adotados com o objetivo de incorporar na gestão de organizações públicas a eficiência comum à lógica de mercado. Baseando-se em um conjunto de diferentes doutrinas e justificativas, o modelo de Estado gerencialista passou a predominar nas administrações públicas em diferentes partes do mundo (Christensen, Lagreid&Wise, 2002; Kettl, 2005).

No caso brasileiro, essa corrente de pensamento emerge associada aos ideais de defesa da sociedade inseridos na Constituição Federal de 1988 e foi à ideia que mais influenciou os esforços pela reforma do Estado brasileiro nos anos 1990 (Bresser-Pereira, 2009). Tendo por premissa a substituição do modelo burocrático brasileiro por um gerencial mais flexível e capaz de dinamizar a máquina pública, o movimento de reforma do Estado foi impetrado tendo por referência diferentes mecanismos, princípios e ferramentas de gestão consolidados nas empresas do setor privado. Mas o espírito organizacional não acompanha por conta de uma Cultura organizacional cheia de vícios.

Dentre estas ferramentas gerenciais do setor privado adotadas pelo NPM encontra-se o Balanced Scorecard – BSC –, um modelo de controle gerencial desenvolvido na década de 1990 para ajustar a avaliação de desempenho contábil-financeiro das corporações à proposta de gestão estratégica (Kaplan; Norton, 1992). Apesar dos autores dessa ferramenta afirmarem que ela já é amplamente adotada em diferentes instituições públicas mundo afora (Kaplan; Norton, 1996), no Brasil, o uso de scorecardse mapas estratégicos no setor público ainda é experiência relativamente recente.

O Conselho Nacional de Justiça – CNJ adotou o Balanced Scorecard (BSC), como metodologia para mensuração da execução do planejamento estratégico, seguindo pela maioria dos tribunais do Brasil, inclusive pelo TJRR.

Ao pesquisar o Plano Estratégico do Tribunal de Justiça de Roraima: sexênio 2015-2020 percebi que não costa nenhuma ação relacionada à crise energética.

Aparentemente, a busca por eficiência preconizada pelas reformas dos anos 1990 contém a ideia de que o setor público desenvolva um modelo de gestão que não fique restrito ao simples planejamento orçamentário, devendo também praticar uma efetiva administração estratégica de seus recursos. Nesse sentido, justamente pelo fato de o BSC apregoar esse alinhamento entre os indicadores contábil-financeiros com o desempenho estratégico (Kaplan; Norton, 1992; 1996) é que esse modelo gerencial tem sido adotado por algumas empresas e órgãos públicos como importante ferramenta, já que auxilia a exercer o controle gerencial de forma mais acurado e alinhado às diretrizes estratégicas.

Hoje o estado de Roraima passa por incertezas com relação ao fornecimento de energia elétrica. Não se tem ao certo o culpado e nem soluções imediatas. Então, é com o objeto de controlar a instabilidade energética com instalações de grupos geradores que proporcione o pleno e adequado funcionamento de todos os elementos nas Unidades do Poder Judiciário de Roraima, seja na Capital ou no interior do estado.

Levando-se em consideração que na Comarca de Boa Vista e Comarcas do interior, frequentemente, são realizadas Sessões e Audiências do Júri, é necessário um Grupo Gerador que permaneça sempre em condições de pleno funcionamento para gerar energia elétrica suficiente no intuito de se evitar paralisações da prestação jurisdicional.

Nos casos de falta de fornecimento energético, os grupos geradores entrarão em funcionamento de forma automática, evitando paradas indesejadas, fundamental em locais onde a interrupção de energia pode resultar em imensuráveis prejuízos. Além disso, também possibilitam que elevadores, sistemas de climatização e demais estruturas continuem operando.

Cumpre destacar a necessidade da presença de grupos geradores em todas as comarcas do interior, garantindo assim, uma prestação de serviços eficaz ao jurisdicionado, já que, com a instalação e pleno funcionamento deste equipamento, não há interrupção das atividades por falta de energia elétrica. Já na capital, os dados armazenados no Data Center ligado à Secretaria de Tecnologia da Informação (STI), que abriga sistemas de informação de grande relevância como Processo Judicial Digital (PROJUDI), Processo Judicial eletrônico (PJE), sistema informatizado de controle processual (SISCOM), Sistema Eletrônico de Informações (SEI), Sistemas Administrativos, dentre outros, permanecem protegidos em virtude de usufruírem dos benefícios da presença de Grupos Geradores, resultando que as atividades não são prejudicadas, garantindo assim que as informações não sejam perdidas em caso de cortes no fornecimento de energia, ou qualquer outro problema, além da capacidade de ampliar os serviços públicos atendendo a todos que dele precisar.

Diante disso, os grupos geradores de eletricidade possuem vantagens, como ruído baixíssimo, possibilitando conforto para ambientes que precisam de tranquilidade, como escolas, creches e hospitais (site Mega Geradores).

Portanto, com os grupos geradores o TJRR teria energia elétrica sempre que necessário, garantindo o pleno funcionamento dos setores administrativos e realizando suas atividades, assegurando uma energia confiável e de alta qualidade.



CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste artigo buscamos compreender a importância da energia elétrica fornecida por grupos geradores como contingenciamento no TJRR. Vale destacar, novamente, que o Estado de Roraima está passando por uma crise energética devido à calamidade econômica que a Venezuela enfrenta. O fornecimento de energia, contratado pelo Brasil, para o Estado, foi suspenso há meses. Hoje, a fonte de geradora de energia em Roraima é de 95% fornecida por termoelétricas. Desde então, é perceptível que falhas na rede de distribuição de energia se tornaram rotina.

Dessa forma, para que sistemas administrativos e setores, dentre outros não sejam paralisados, é de suma importância que o Tribunal de Justiça do Estado de Roraima tenha os benefícios da presença de grupos geradores, garantindo assim que as informações não sejam perdidas em caso de cortes no fornecimento de energia, ou qualquer outro problema, além da capacidade de ampliar os serviços públicos atendendo a todos que dele precisar.



Referências

Disponível em: <http://estrategia.tjrr.jus.br/index.php/plano-estrategico-2015-2020>. Acessoem 01 out. 2018.

CHRISTENSEN, Tom; LAGREID, Per; WISE, Lois. Transforming administrative policy. PublicAdministration, v. 80, n. 1, p. 153-178, 2002.
maio 2019.

Crise energética na Venezuela afeta Roraima. G1 Roraima. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/economia/crise-energetica-na-venezuela-afeta-roraima> acesso em: 30 de maio 2019.
Eletrobrás afirma que consegue suprir demanda de energia em Roraima caso Venezuela corte fornecimento. G1 Roraima. Disponível em: <https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2018/08/24/eletrobras-afirma-que-consegue-suprir-demanda-de-energia-em-roraima-caso-venezuela-corte-fornecimento.ghtml/> acesso em: 30 de maio 2019

KETTL, Donald F. The global public management revolution. 2. ed. Washington, DC: Brookings Institution Press, 2005.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. The balanced scorecard – measures that drive performance. Harvard Business Review, Boston, v. 70, p. 71-79, jan/feb, 1992.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Linking the balanced scorecard to strategy. California Management Review, Berkeley, v. vol. 39, n. 1, p. 53-79, outono 1996-a.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David. P. Using the balanced scorecard as a strategic management system. Harvard Business Review, Boston, v. 74, n. 1, p. 75-85, January-February 1996-b.
Veja traz matéria envolvendo Jucá com crise energética em RR. Folha BV. Disponível em: <https://www.folhabv.com.br/noticia/-Veja-traz-materia-envolvendo-Juca-com-crise-energetica-em-RR/33807/ > acesso em: 30 de jun de 2019.

Portal da Transparência. Disponível em: <http://www.portaltransparencia.gov.br/> acesso: 19 de jun de 2019
O que são, para que serve e como funcionam os grupos geradores.Mega Geradores. Disponível em:<http://www.megageradores.com.br/listaprod/noticias/o-que-sao-para-que-serve-e-como-funcionam-os-grupos-geradores-categoria,12,40.html> acesso em: 30 de jun de 2019